Pagina Principal Artigos

Panorama EconomicoNeste segundo número, serão apresentados os desdobramentos da crise nos contextos internacional e nacional, e derivados os possíveis impactos para a economia do Espírito Santo. Alguns desses impactos já podem ser observados por meio de diversos indicadores de conjuntura aqui analisados.

Para o estado do Espírito Santo, o ritmo do crescimento mundial será importante direcionador para o seu próprio processo de crescimento e recuperação. Somente com a recuperação mundial, os preços de commodities poderão aumentar, assim como rentabilidade das empresas locais, a ocupação da capacidade ociosa, e o retorno dos investimentos produtivos e o reaquecimento do mercado de trabalho.

Resenha Veículos NovosEm abril, 11.530 veículos novos foram vendidos no Espírito Santo. O crescimento de 60,58% em relação ao mesmo mês de 2007 foi significativamente superior à média nacional (+36,50%), com destaque para os segmentos de motos (+92,12%) e de automóveis de passeio (+45,03%). No acumulado do ano, o crescimento das vendas foi de 36,51% em relação ao mesmo período de 2007.
Resenha Comércio VarejistaO volume de vendas no comércio varejista do Espírito Santo registrou aumento de 9,6% no mês de março, em relação ao mesmo mês de 2007. No primeiro trimestre do ano, a variação foi de 10,4%. No varejo ampliado, o Estado obteve o melhor desempenho do país: +17,4% no mês de março e +21,8% no primeiro trimestre do ano, com destaque para Veículos, motos, partes e peças.
Resenha Produção IndustrialA indústria capixaba mantém o ritmo acelerado de expansão, liderando a alta registrada na indústria brasileira. No mês de março de 2008, em relação a igual período de 2007, houve crescimento de 15,1%, resultado significativo frente à média nacional (1,3%). A expansão deve-se ao desempenho positivo da metalurgia básica (+36,5%) e da indústria extrativa (+11,4%).
Resenha Emprego FormalCom a criação de 4.651 novos postos de trabalho no mês de março, o estado do Espírito Santo contribuiu com 2,25% do emprego formal gerado no país. No primeiro trimestre, os empregos gerados passaram de 6.961 em 2007, para 10.642 em 2008. O processo vem sendo liderado pela Construção Civil, o que impulsiona, inclusive, os serviços relacionados. A Indústria de Transformação também registra recuperação na oferta de emprego. Ambos os segmentos compensaram a perda de dinamismo recente na agropecuária, muito por conta de fatores climáticos.